O cardápio, por favor

subway-santaa-luzia-mg

Ano passado, fui pra São Paulo pela primeira vez. Fui para Pixel Show, que acontece todo ano na cidade. No mesmo pacote, foi a minha primeira viagem de avião, primeira vez que fiquei em um hostel. Foi uma experiencia bem legal. Eu caipira, pegando um metrô, seguindo a apenas a dica anunciada no site do hostel: “próximo ao metrô da Faria Lima”. Como havia chego perto das 11 horas, quis procurar um lugar para comer. A pessoa que me atendeu no hostel, disse que havia um shopping ali perto, e então parto em minha “aventura” em busca do primeiro almoço em São Paulo.
Chegando ao shopping, muito maior que os que tem aqui em Londrina, tenho que enfrentar uma dificuldade minha, que é entrar em um estabelecimento desconhecido, e desacompanhado. Normalmente quando enrolo o máximo que posso para entrar em uma loja de roupas, que não seja uma das que estou acostumado a entrar. Logo, o shopping enorme, em uma cidade enorme, já me causava a sensação de que ia dar alguma coisa errada.
Com algum esforço e mesmo assim não conseguindo ficar natural, cheguei a praça de alimentação, olhei a multidão, reconheci a placa: “Subway”.

“Um Frango teriyaki, pão de aveia e mel de 15cm. Alface, rúcula, tomate e azeitona. Cebola agridoce, mostarda e orégano. Um chá gelado e um cookie de gotas de chocolate.”

Poucos minutos depois, estava sentado, comendo o sanduíche que mais gosto do subway, me sentindo em casa.
Me sentindo em casa?

Foi aí que olhei para os lados, e vendo aquele aglomerado de pessoas, e franquias conhecidas, é que percebi o seguinte: Era como se estivesse visitando algum shopping novo, em Londrina mesmo. Não havia novidade, Burguer King, Mc Donalds, Cinemark, Subway. Tava tudo lá, e as que eram diferentes, eram apenas versões concorrentes.
Não quero ser Xiita ao dizer que a globalização estraga nosso dia-a-dia. Talvez você more em uma cidade pequena, assim como já morei um dia, e ficou ansioso em comer o Mc Donalds pela primeira vez, não há nada de errado nisso, pois bem como disse, gosto muito do Frango Teriaki, ainda mais no dia da promoção, e na pior das hipóteses, almocei algo que eu não iria correr o risco de não gostar. Mas, e a experiência de conhecer coisas diferentes do local o qual estou acostumado? Por sorte, no ultimo dia, eu pude experimentar o famoso sanduíche de mortadela da Mercado Municipal, que por sinal, recomendo muito.

Semana passada voltei a São Paulo. Havia ido fazer um curso de Arquitetura de Informação, da Mergo, lá foram formados vários grupos, com pessoas desconhecidas, com o objetivo de criar um mini projeto, para exercitar na prática a teoria que nos foi passada. Chegada a hora do almoço, a galera começou a escolher algum lugar pra ir, e eu logo disse: vamos em algum lugar que não seja franquia, algum lugar pra ficar na memória. Acabamos indo em um restaurante, desses que tem mesas na calçada, muito comum em São Paulo. O garçom nos trouxe o cardápio, almoçamos a la carte, o garçom fez brincadeiras, conversamos sobre design. Quando expliquei sobre o por que preferia ir em algum restaurante, qualquer que fosse, menos franquia, o legal foi uma das pessoas ouvir e falar: sabe que eu nunca tinha pensado nisso?

A maioria das vezes, não gostamos do desconhecido. Da loja com vitrine aparentemente chique demais para o nosso bolso. Do restaurante que nunca almoçou. Daquela pessoa desconhecida no ponto de ônibus. De tirar pra dançar aquela menina que nunca vimos antes. Acabamos por nos fazer movimentos de trapaça, e permanecer na nossa zona de conforto. Mas as vezes valeria mais contar pros seus amigos que comeu em um lugar horrível, e fazer piada daquilo numa roda de bar, do que simplesmente falar: ah, comi um Big Mac.

Bom, se você algum dia vir a Londrina, não deixe de: Tomar um suco na rodoviária, comer bolinho de carne no Bar do Lorena, tomar um sorvete da Freddo (que eu saiba só tem aqui e em Curitiba) ou ainda visite o blog Baixa Gastronomia.

PS: ainda não foi dessa vez que eu experimentei o Starbucks :(